22 setembro, 2017

Saiba o que fazer ao receber mensagens anunciando o fim do mundo

Nenhum comentário:
Imagem referencial. Foto: Domínio Público/Pixabay - 
Mais uma vez deram data para o fim do mundo. Vários artigos e vídeos dão conta que, em 23 de setembro de 2017, um alinhamento planetário singular fará com que o Planeta X - cuja existência é apenas uma hipótese científica - colapse com a Terra.

Há também outra especulação que circula principalmente no YouTube, mas o que ambas têm em comum, é a citação de fragmentos do livro do Apocalipse.



Sobre isso, um sacerdote católico, Pe. Samuel Bonilla - conhecido nas redes sociais como "Padre Sam" - afirmou que não devemos ficar "nos perguntando quando será a segunda vinda ou quando é o fim do mundo, mas esforcemo-nos para estarmos preparados".

Confira, no site ACI Digital, uma matéria sobre o assunto.

O que devemos fazer diante desse tipo de notícia?


Como católicos, não podemos nos amedrontar com essas bobagens. Temos que estar sempre na graça de Deus, pois não sabemos quando Ele nos chamará para a Sua presença. Mas, diante dos desastres naturais, não devemos ficar paralisados, imóveis, especulando se será o fim do mundo. O que devemos fazer é orar pelas vítimas e nos mobilizar para oferecer nossa ajuda.

E diante destas mensagens supostamente proféticas? O que devemos fazer? O melhor é adotar as seguintes atitudes:

1. Não reenvie as mensagens; apague-as


Não diga "eu não creio, mas, se por acaso...". Isso é superstição. Não contribua com a divulgação de mentiras. Apague essas mensagens.

2. Fale com que enviou essas mensagens


Advirta que são mensagens falsas e peça-lhe que não as reenvie.

3 . Não se esquecer de uma informação fundamental revelada na Bíblia


Talvez você não saiba, mas a Bíblia contem um único texto que verdadeiramente oferece informação confiável acerca de quando acontecerá o temido fim do mundo. Está pronto para saber? Você consegue suportar uma revelação tão surpreendente? Então aqui vai! Continue lendo: “Quanto àquele dia e àquela hora, ninguém o sabe, nem mesmo os anjos do céu, mas somente o Pai” (Mt 24, 36).

Com informações do artigo publicado por SIAME, traduzido e adaptado ao português

Recomendado para você
Continue lendo...

13 setembro, 2017

The Pope: Filme abordará eleição e renúncia de Bento XVI e eleição de Francisco

Nenhum comentário:

A Netflix anunciou que irá produzir um filme que abordará a eleição e a renúncia do Papa Bento XVI, bem como a eleição do Papa Francisco. O nome da obra é The Pope (O Papa) e a divulgação foi feita no dia 7 de setembro de 2017 no site da empresa.



De acordo com a Netflix, “a produção conta com um time de peso, tanto no elenco, quanto por trás das câmeras”. O filme será dirigido pelo brasileiro Fernando Meirelles (de Cidade de Deus e O Jardineiro Fiel) e roteiro terá a assinatura de Anthony McCarten (de A Teoria de Tudo).
Bento XVI será interpretado por
Anthony Hopikins. Fotos: Commons/Bgstock. 

O elenco da produção contará com os atores Anthony Hopkins (de O Silêncio dos Inocentes e O Ritual), como Bento XVI, e Jonathan Pryce (de Game of Thrones e Piratas do Caribe) foi escolhido para interpretar Francisco.

Segundo informações da revista online Deadline, as filmagens terão início em novembro de 2017, na Argentina.


O que esperar do filme The Pope anunciado pela Netflix?


De acordo com a Deadline, o filme conta a história da eleição do Papa Bento XVI e sua renúncia, em 2013, após sete anos de pontificado. Após tal acontecimento, aconteceu o conclave que elegeu o cardeal argentino Jorge Mario Bergolio, que se torno o primeiro papa jesuíta, primeiro das Américas e o primeiro papa vindo de fora da Europa desde o século VIII.
Papa Francisco será interpretado
por Jonathan Pryce. Fotos: Commons. 

Pela informação distribuída pelo site especializado, o drama parece querer comparar a personalidade dos dois papas dando ênfase a Francisco, sua humildade, devoção aos pobres e desejo de mudança. Caso o filme realmente opte por seguir esta linha, a tendência é tratar o pontífice reinante como um herói e deturpar a imagem de Bento XVI, que foi um grande papa.

Preocupados com que isso ocorra, o site Direto da Sacristia, por meio de sua página no Facebook, incentivou as pessoas a enviarem mensagens à Netflix “a fim de que a obra não seja de visão parcial e beneficie um personagem em detrimento de outros, apenas por causa da interpretação de alguns”.

Enquanto isso, vamos aguardar mais notícias sobre esse novo filme.


Recomendado para você
Continue lendo...

04 setembro, 2017

[EXCLUSIVO] Neto do autor da coroa original de Nossa Senhora de Fátima fala sobre seu avô

Um comentário:

Ao olhar para a imagem original de Nossa Senhora de Fátima, no Santuário a ela dedicado, em Portugal, é possível perceber que ela sustenta uma bela coroa, com várias joias e com a bala que atingiu São João Paulo II durante um atentado, em 1981, incrustado nela.

Recentemente, o blog Sim, sou Católico conseguiu entrar em contato com Miguel Ponce Dentinho, que é neto de Virgílio Barbosa Leão - autor do desenho da coroa da imagem de Nossa Senhora de Fátima.



Durante o contato, Miguel enviou um relato que aconteceu com ele em uma visita ao Brasil. Na ocasião, ele conta que ao participar de uma Missa no Rio de Janeiro teve a oportunidade de contar um pouco da história da coroa que seu avô desenhou para Nossa Senhora de Fátima.

Confira abaixo a íntegra do relato enviado por Miguel Ponce Dentinho com exclusividade ao blog Sim, sou Católico.

Relato do neto do ourives que desenhou a coroa de Nossa Senhora de Fátima


Chegado ao Rio de Janeiro, vindo de Portugal, em um domingo, dia 6 de maio, preparava-me para ir à praia. Nisto, passo pela porta de uma Igreja e ouço tambores e jovens a sambar. Até o padre sambava. Como europeu achei estranho e perguntei a uma senhora que assistia ao "espetáculo" se se tratava de um local de culto da IURD (nota do blog: sigla utilizada por Miguel para Igreja Universal do Reino de Deus). Respondeu-me então com um ar ofendido que não, que era uma Igreja católica. Lá entrei e o padre falou tanto para mim durante a homilia que as lágrimas começaram a correr com tanta naturalidade que pouco me importou a frase feita, de que um homem não chora. Claro que chora.

Saí de lá tão cheio de Deus que voltei no domingo seguinte, dia 13 de maio. Missa às 10h30 na Igreja da Ressurreição, no Arpoador. Tinha batismo, crianças a gritar e a correr e o Dia das Mães. Fui empurrado, pisado, e cresceu em mim uma raiva tal que só me apetecia bater nas crianças irrequietas. Resolvi, ao fim de meia hora abandonar a Igreja. O espírito e desânimo eram visíveis ao descer as escadas. Nisto, uma senhora que também abandonava o local perguntou se estava incomodado, ao que respondi que estava incomodadíssimo. Perguntou o que ia fazer e respondi com voz irritada que iria para casa, nem à praia me apetecia ir. Ao ouvir isto, perguntou se não queria ir com ela à Igreja de Nossa Senhora da Paz.

Fui a seu lado os dois quarteirões que separam as duas Igrejas, sem falarmos um com o outro. Quando entramos, a senhora virou à direita e eu ali fiquei no corredor central, procurando com os olhos um lugar para me sentar. Nisto um bispo que celebrava a Missa fez sinal de que tinha lugar na primeira fila. Ainda olhei para trás, pois pensei que o sinal era dirigido para outra pessoa. Como não havia ninguém atrás de mim, avancei, de camiseta, bermuda, chinelo Havaianas e mochila. Preferia um lugar mais discreto, mas chamavam-me para a primeira fila.



Começou a Missa celebrada pelo bispo, que na homilia referiu que mais importante que ser Dia das Mães, era dia 13 de maio, dia de Nossa Senhora de Fátima. O bispo também recordou que a bala que tinha atingido o Papa João Paulo II, no dia 13 de maio de 1980, se encontrava colocada na coroa da imagem, graças às mãos hábeis do ourives que a tinha desenhado. Ao ouvir isso, sorri e o celebrante olhou para mim e perguntou se conhecia a história. Assenti com a cabeça e convidou-me a contar a história, passando-me o microfone.

Comecei por dizer que era neto do ourives que em 1946 tinha desenhado a coroa de Nossa Senhora de Fátima, que tinha sido oferecida pelas mulheres portuguesas em agradecimento a Nossa Senhora por ter intercedido junto de Deus para que Portugal não entrasse na Segunda Guerra Mundial.

Contei que o Papa tinha sido alvejado a 13 de maio de 1980 e que quando fez um ano do sucedido, quis estar em Fátima e agradecer a Nossa Senhora por tê-lo salvo e oferecer o terço com que sempre rezava.

Durante o almoço, retirou do bolso uma bala e disse ao reitor do Santuário que gostaria que a mesma fosse colocada na coroa. O reitor pediu para lhe trazerem a coroa, pois tinha a esperança que o Papa ao vê-la de perto desistisse. Ficou atrapalhado porque, por um lado, era um pedido do Papa, mas por outro ficava tão feio...

Nisto, quando virou a coroa, descobriu que o meu avô tinha deixado um orifício na bola com turquesas incrustadas que representa o mundo. Exatamente os 9mm da bala que o Papa João Paulo II fazia questão de aí colocar.

Dito isto, sentei-me a pensar que tinha sido preciso atravessar o Atlântico, ser pisado e empurrado, mudar de Igreja, para ouvir falar desse meu avô de que tanto gostava e com quem tanto aprendi.


Recomendado para você
Continue lendo...

Cardeal Sarah responde ao Pe. James Martin na questão da homossexualidade

Nenhum comentário:

A nota do blog português Senza Pagare destaca que “o, cada vez mais popular, Cardeal Robert Sarah escreveu um artigo no Wall Street Journal sobre o modo como a Igreja olha para quem tem atração por pessoas do mesmo sexo. O texto começa por criticar a abordagem do Padre jesuíta James Martin, que tem sido promovido nos meios de comunicação social por apresentar uma visão desviada da doutrina da Igreja em relação à homossexualidade. O Cardeal africano explica, de forma muito breve e bastante clara, o que a Igreja ensina sobre este assunto e os inúmeros frutos que já produziu na vida dos que acolhem essas verdades sobre a natureza humana”.

Como os católicos podem acolher os fiéis LGBT

por Cardeal Robert Sarah


A Igreja Católica tem sido criticada por muitos, incluindo alguns dos seus seguidores, pela sua resposta pastoral à comunidade LGBT. [...] Entre os padres católicos, um dos críticos mais famosos da mensagem da Igreja sobre a sexualidade é o Padre James Martin, um jesuíta dos Estados Unidos.



No seu livro "Building a Bridge" (Construindo uma Ponte), publicado no início deste ano, ele repete a crítica comum de que os católicos têm sido críticos severos da homossexualidade, enquanto negligenciam a importância da integridade sexual entre todos os seus seguidores.

O Padre Martin está certo ao afirmar que não deveria existir uma dupla medida em relação à virtude da castidade, que, embora desafiadora, é parte da boa nova de Jesus Cristo para todos os cristãos. Para os não casados – independentemente das suas atrações – a castidade fiel requer a abstinência do sexo.

Isso pode parecer uma fasquia demasiado alta, especialmente hoje. No entanto, seria contrário à sabedoria e à bondade de Cristo exigir algo que fosse impossível. Jesus chama-nos a essa virtude porque ele fez os nossos corações para a pureza, assim como ele fez as nossas mentes para a verdade. Com a graça de Deus e a nossa perseverança, a castidade não apenas é possível, mas também se tornará a fonte da verdadeira liberdade.

Não precisamos de muito para ver as tristes consequências da rejeição do plano de Deus para a intimidade e o amor humanos. A libertação sexual que o mundo promove não cumpre o que promete. Antes, a promiscuidade é a causa de tantos sofrimentos desnecessários, de tantos corações partidos, solidão e de tratar os outros apenas como meio de gratificação sexual. Como Mãe, a Igreja tenta proteger os seus filhos do mal do pecado, como uma expressão da sua caridade pastoral.

Veja também:



No seu ensinamento sobre a homossexualidade, a Igreja guia os seus seguidores distinguindo as suas identidades das suas atrações e ações. Em primeiro lugar, há as pessoas em si mesmas, que são sempre boas porque são filhas de Deus. Depois, há a atração por pessoas mesmo sexo, que não é pecaminosa se não for desejada ou realizada, mas, mesmo assim, está em contraste com a natureza humana. E, finalmente, existem as relações entre pessoas do mesmo sexo, que são gravemente pecaminosas e prejudiciais para o bem-estar dos que as praticam.

As pessoas que se identificam como membros da comunidade LGBT devem ser chamadas a esta verdade com caridade, especialmente por parte do clero que fala em nome da Igreja sobre esse assunto complexo e difícil.

Rezo para que o mundo escute finalmente as vozes dos Cristãos que experimentam a atração por pessoas do mesmo sexo e que encontraram paz e alegria ao viverem a verdade do Evangelho. Tenho sido abençoado pelos meus encontros com eles, e o seu testemunho comove-me profundamente. Escrevi o prefácio de um desses testemunhos, no livro de Daniel Mattson: Why I Don’t Call Myself Gay: How I Reclaimed My Sexual Reality and Found Peace (Por que não me chamo gay: Como resgatei a minha realidade sexual e encontrei paz), com a esperança de fazer com que a voz dele e outras semelhantes possam ser mais bem ouvidas.



Esses homens e mulheres testemunham o poder da graça, a nobreza e a resiliência do coração humano, e a verdade do ensino da Igreja sobre a homossexualidade. Em muitos casos, viveram longe do Evangelho por um período das suas vidas, mas reconciliaram-se com Cristo e com a Sua Igreja.

As suas vidas não são fáceis ou sem sacrifícios. As suas inclinações não foram completamente vencidas. Mas eles descobriram a beleza da castidade e das amizades castas. O seu exemplo merece respeito e atenção, porque eles têm muito a ensinar a todos nós sobre como acolher e acompanhar melhor os nossos irmãos e irmãs com uma verdadeira caridade pastoral.


Recomendado para você
Continue lendo...

31 agosto, 2017

Lançamento de livro na Quadrante: "Trabalhar bem, trabalhar por amor"

Nenhum comentário:

A santificação do trabalho está no núcleo da Mensagem de São Josemaria Escrivá. Mas, o que é santificar o trabalho? Como se faz? Essa obra lançada pela Editora Quadrante oferece de maneira agradável e didática textos que ajudam a entender e a viver melhor esse tema.

Milhões de pessoas se dirigem a cada dia para o seu trabalho. Algumas vão a contragosto, como que obrigadas, a uma tarefa que não lhes interessa nem lhes agrada. Outras se importam apenas com o salário que receberão, e só isso lhes dá alento para trabalhar. Outras ainda encarnam o que Hannah Arendt chama de «animal laborans»: o trabalhador sem outro fim nem horizonte que o próprio trabalho ao qual a vida o destinou e que realiza por inclinação natural ou por costume.



Acima de todas elas em humanidade se encontra a figura do «homo faber», o que trabalha com perspectivas mais amplas, com o afã de levar adiante uma empresa ou projeto, algumas vezes buscando a afirmação pessoal, mas outras muitas com a aspiração nobre de servir aos demais e de contribuir com o progresso da sociedade.

Entre estas últimas deveriam se encontrar os cristãos, e não apenas ocupando o primeiro lugar, mas sim um nível superior até. Porque se são cristãos de verdade, não se sentirão escravos nem assalariados, mas sim filhos de Deus para quem o trabalho é uma vocação e uma missão divina que se deve cumprir por amor e com amor.

Sobre o autor


Javier López Díaz, nasceu em Madri em 1949. É formado em Engenharia Aeronáutica pela Universidade Complutense de Madri e Doutor em Teologia pela Universidade de Navarra. Sacerdote desde 1977, atualmente é professor extraordinário de Teologia Espiritual na Pontifícia Universidade da Santa Cruz, em Roma. Autor de dezenas de artigos acadêmicos, é coautor (com Ernst Burkhart) de Vida cotidiana y santidad en la enseñanza de San Josemaría (Rialp, Madri, 2010-2013), estudo em três volumes da espiritualidade difundida pelo Fundador do Opus Dei.

Visite o site da Editora Quadrante e adquira o seu exemplar:
http://www.quadrante.com.br/trabalhar-bem-trabalhar-por-amor?ct=t(Lan_amento_Trabalhar_bem_trabalhar_por_a8_28_2017)&mc_cid=e73a966cde&mc_eid=0d6ef8111a


Recomendado para você
Continue lendo...

29 agosto, 2017

3 atividades que você pode fazer para buscar a santidade quando acorda

Nenhum comentário:
Pexels/Domínio Público - 
A vida dos católicos é uma luta constante para alcançar a santidade, e cada dia de vida que Deus nos dá é uma nova oportunidade para alcançá-la. É por isso que hoje compartilhamos algumas atividades que você pode fazer todas as manhãs para fortalecer sua vida espiritual e se aproximar da santidade que Deus quer de você.

Se você não pode fazer todas, pode começar com uma ou duas.



1) Rezar


Wikipedia/Domínio Público

Sim, já sabemos que parece uma atividade óbvia, mas, seja pela pressa de estudar ou trabalhar, muitos se esquecem de falar com Deus por algum tempo. Então não esqueça! Ore! Nós não pedimos que você comece com um rosário completo (embora não seja uma má ideia), mas por um “obrigado Senhor por esse dia. Ajude-me a ser um santo hoje” é um excelente começo.

2) Desafie-se a fazer alguma obra de misericórdia

Wikipedia/Domínio Público

Você pode se desafiar! Todas as manhãs tome a decisão de realizar pelo menos uma atividade espiritual em algum momento do dia. Você pode optar por alguma obra de misericórdia corporal (visitar um doente, dar comida a quem tem fome, dar bebida a quem tem sede, dar a pousada ao peregrino, vestir quem está nu, visitar os presos, enterrar os mortos) ou espiritual (ensinar a quem não sabe, dar bons conselhos a quem precisa, corrigir a pessoa que está errada, perdoar o ofensor, confortar os tristes, sofrer com paciência os defeitos do nosso próximo, rezar a Deus pelos vivos e pelos mortos). Se você conseguir fazer qualquer um deles todos os dias, seu progresso espiritual é praticamente assegurado.

3) Ler a Bíblia

Wikipedia/Domínio Público

A Bíblia Sagrada sempre tem algo a dizer. É Deus falando com você diretamente! Muitos tentam ler a Bíblia, mas logo eles param porque não sabem por onde começar. Um bom conselho é se guiar através do calendário litúrgico. Se você ler a passagem correspondente de cada dia guiado pelo calendário litúrgico, além de sempre ter algo novo a ser estudado, você seguirá o ritmo de toda a Igreja Católica. É uma vantagem que você não pode perder!

Fonte: Church Pop Espanhol
Tradução: Sim, sou Católico

Recomendado para você
Continue lendo...