06 março, 2018

Dom Rifan fala sobre polêmica envolvendo CNBB e declara: "Conferências não anulam o poder dos bispos"


- Dom Fernando Rifan. Foto: Reprodução/Facebook Administração Apostólica Pessoal S. João Maria Vianney -

O Bispo da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney, Dom Fernando Rifan, redigiu uma nota bastante lúcida sobre a polêmica envolvendo a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e explicou que as conferências episcopais não anulam o poder dos bispos e também não fazem parte da estrutura indispensável da Igreja . O texto foi publicado no site da instituição, no Facebook do Bispo e também divulgamos aqui no Sim, sou Católico.

Segundo Dom Rifan, "tem havido ultimamente muitas críticas e mesmo ofensas e insultos à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que requerem esclarecimentos, pois desorientam os católicos".




O Bispo faz referência ao que foi levado a público em 19 de fevereiro pelo site Paraclitus, que divulgou uma nota intitulada 'Coleta da Campanha da Fraternidade financiou MST e ONGS abortistas'.

Veja também:


Em seu texto, Dom Fernando Rifan lembrou aos leigos que "que a Igreja como mãe os ama, quer o seu bem e deseja escutá-los também". "Aos que pensam que a CNBB é apenas um escritório central, uma agência ou 'quase um sindicato dos Bispos', ensino-lhes que a CNBB é o conjunto dos Bispos do Brasil que, exercem conjuntamente certas funções pastorais em favor dos fiéis do seu território", conforme afirma o Código de Direito Canônico no cânone 447.

Dom Rifan ressaltou ainda que "a Conferência Episcopal, instituição eclesiástica, não existe para anular o poder dos Bispos". Citando o Papa emérito Bento XVI, quando Cardeal, o Bispo pontuou que "não devemos esquecer que as conferências episcopais não fazem parte da estrutura indispensável da Igreja, assim como querida por Cristo: têm somente uma função prática, concreta".

"Nenhuma Conferência Episcopal tem, enquanto tal, uma missão de ensino: seus documentos não têm valor específico, mas o valor do consenso que lhes é atribuído pelos bispos individualmente", recordou Dom Rifan citando um trecho do livro 'A fé em crise', do Cardeal Ratzinger.




Sobre o modo de agir, o Bispo declarou que a Igreja não pode ser tratada como uma "sociedade qualquer". "Se a chamamos 'a santa Madre Igreja', é porque a consideramos nossa mãe, merecedora de todo o nosso respeito e amor. E não se expõem os defeitos da mãe em público, sobretudo em redes sociais. Mas já que o fizeram, faço aqui alguns esclarecimentos".

"Ao combater os erros que existem na parte humana da Igreja, não podemos perder o respeito às pessoas, sobretudo às autoridades da Igreja, e muito menos desprestigiá-las, para alegria dos seus inimigos, com ofensas, exageros, meias verdades e até mentiras, caindo em outro erro. A meia verdade pode ser pior do que a mentira deslavada".

"Qualquer pessoa não católica que lesse certos sites e postagens de alguns católicos críticos, injuriando os Bispos e autoridades da Igreja, certamente iria raciocinar: 'é impossível que tais pessoas sejam católicas, pois não se fala assim da própria família!'".

Em seu texto, Dom Rifan também direcionou a mensagem para os demais bispos do Brasil e destacou que, "mesmo exagerando e passando dos limites, os clamores dos fiéis leigos podem estar refletindo o 'sensus fidelium'", que deve ser ouvido.

"Está na hora de recuperarmos o bom nome da nossa Conferência Episcopal. Não podemos tolerar pacificamente tantos abusos doutrinários e litúrgicos que vemos por aí, em nossas Igrejas, e que fazem tanto sofrer nossos fiéis. Será que eles não estão explodindo de tanto aguentar certas invencionices litúrgicas e aberrações doutrinárias?".

"Além disso, é preciso que tenhamos clareza na prestação de contas das coletas da Campanha da Fraternidade. Diante da suspeita levantada de que as doações dos fiéis estão indiretamente indo para entidades que patrocinam o aborto e movimentos revolucionários, devemos ser claros na explicação ao nosso povo: se por acaso desviaram suas doações, o que pode acontecer com qualquer esmola que damos, devemos de agora em diante sermos mais exigentes na aplicação desses valores e não permitir tais desvios".

Recomendado para você
Compartilhe :

5 comentários:

  1. Misericórdia Senhor, se é vdd não sei, faz jus o tema. A igreja é santa e pecadora. Que vivamos na vdd e luz do Espírito Santo.

    ResponderExcluir
  2. Belíssimo texto!! Deus o abençoe, bispo Dom Rifan!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com muita lucidez o Bispo ensinou e orientou os fiéis, além de cobrar, fraternalmente, os outros bispos a recuperação do nome da Conferência Episcopal. Foi a melhor nota sobre este assunto que encontramos até agora.

      Excluir
  3. Excelente texto, lúcido e coerente. Acima de tudo não podemos perder a unidade na Igreja e nem julgar a todos pelos erros de alguns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E é isso o que Dom Rifan busca em todos os momentos com sua manifestação por meio da nota publicada.

      Excluir