06 janeiro, 2020

Sobre o filme "Dois Papas", do Netflix


- Cardeal Bergoglio (Jonathan Pryce) e Bento XVI (Anthoy Hopkins) em "Dois Papas" -

O filme "Dois Papas", lançado no Netflix em 20 de dezembro de 2019, é um drama fictício dirigido pelo diretor Fernando Meirelles com base na obra de Anthony McCarten e muito tem se falado sobre a obra.

Antes de prosseguir, cabe destacar que esse texto não é uma análise crítica sobre o filme a partir de um especialista, mas apenas o ponto de vista de quem assistiu ao longa-metragem "Dois Papas". Também não é um tipo de condenação a que viu e pensa o contrário do que aqui será exposto.




Passada a explicação, "Dois Papas" apresenta uma série de encontros entre o Papa Bento XVI (Anthony Hopkins) e Jorge Mario Bergoglio (Jonathan Pryce), futuro Papa Francisco; reuniões que nunca ocorreram. O longa-metragem insinua até que Bento XVI tratou com Francisco sobre a renúncia.

Veja também:


"Deus corrige um Papa apresentando outro ao mundo", falam os personagens em um dos diálogos do filme exibidos no teaser oficial de "Dois Papas", como se Francisco tivesse sido eleito para que Bento XVI reencontrasse seu rumo espiritual.

'Dois Papas' apresenta um papa bom e um mau


Ao assistir "Dois Papas", vi um Joseph Ratzinger que articulava para ser eleito Papa no conclave de 2003, porque, segundo o filme, era isso o que ele desejava. Algo improvável, visto que ele já havia pedido repetidas vezes para se aposentar, retirar-se do ofício de Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé. João Paulo II não aceito os pedidos.




No filme também é possível ver um Bento XVI extremamente rígido, reacionário enquanto Bergoglio era um revolucionário, o homem que viria para reformar a Igreja.

Isso ficou mais evidente após o diretor do filme, Fernando Meirelles, confirmar em entrevista que tinha a intenção de desenhar uma dicotomia entre Bento e Francisco.

Na entrevista concedida à CNA, Merilles afirmou que "quando li o roteiro pela primeira vez, para mim ficou claro: havia um papa bom e um papa mau".

"Eu sentia mais simpatia pelo Papa Francisco, especialmente por não sabia muito sobre o Papa Bento", disse Meirelles.

O filme "Dois Papas" é bom?


Na minha opinião, tem muita coisa bem construída ali, bastante elementos apenas fictícios para favorecer a produção (é filme, né?!) e tem uma bela fotografia, dirigida por César Charlone. Especial atenção para o excelente trabalho que fizeram utilizando chroma key: quem vê as imagens da Capela Sistina e das primeiras aparições dos Papas no balcão da Basílica de São Pedro chega a pensar que essas parte do filme foram gravadas no Vaticano, no entanto era tudo em estúdio.




"Dois Papas" também fala com fidelidade dos Papabili (papáveis) do conclave que elegeu Bento XVI. Apesar de atuar bem, Anthony Hopkins não me lembrou o Papa alemão ao passo que Jonathan Pryce sim, esse ficou parecido com o Papa Francisco.

Contudo, não gostei do filme. Ele não representa bem nem Bento XVI e nem o Papa Francisco. Porém, com via de regra, tanto para quem já viu quanto para quem vai ver: não vá acreditando em tudo.

Recomendado para você
Compartilhe :

0 comentários:

Postar um comentário