24 janeiro, 2017

Papa exorta a uma comunicação construtiva e ao fim do círculo vicioso de más notícias


Papa Francisco - Foto: Jeffrey Bruno/Aleteia (Creative Commons CC BY-SA 2.0)

O Vaticano publicou nesta terça-feira, 24 de janeiro, a mensagem do Papa Francisco para o 51º Dia Mundial das Comunicações Sociais, a ser celebrado em 28 de maio, Solenidade da Ascensão do Senhor. No texto, o Pontífice afirma que o conteúdo deve soar como um "encorajamento a todos aqueles que diariamente, seja no âmbito profissional seja nas relações pessoais, 'moem' tantas informações para oferecer um pão fragrante e bom a quantos se alimentam dos frutos da sua comunicação".



Publicada tradicionalmente no dia de São Francisco de Sales, padroeiro da imprensa católica e dos jornalistas, a mensagem deste ano tem como tema "Comunicar a esperança e confiança no nosso tempo".

"A todos quero exortar a uma comunicação construtiva, que, rejeitando os preconceitos contra o outro, promova uma cultura do encontro por meio da qual se possa aprender a olhar, com convicta confiança, a realidade", afirmou o Pontífice.

Francisco ressaltou que é necessário abandonar o círculo vicioso da angústia e de ter a espiral do medo, resultado do hábito de fixar a atenção nas notícias más, como guerras, terrorismo, escândalos.

"Queria que todos procurássemos ultrapassar aquele sentimento de mau-humor e resignação que muitas vezes se apodera de nós, lançando-nos na apatia, gerando medos ou a impressão de não ser possível pôr limites ao mal", disse.


O Santo Padre também ressaltou o modo como muitas notícias são difundidas atualmente. Segundo ele, vigora a lógica de que uma notícia só é boa se ela desperta do interlocutor. Caso isto não ocorra, parará a não ser considerada como notícia.

O Pontífice afirmou ainda que "onde o drama do sofrimento e o mistério do mal facilmente são elevados a espetáculo, podemos ser tentados a anestesiar a consciência ou cair no desespero".

Diante disso, Francisco declarou que é preciso buscar um estilo comunicador "aberto e criativo, que não se que não se prontifique a conceder papel de protagonista ao mal, mas procure evidenciar as possíveis soluções, inspirando uma abordagem propositiva e responsável nas pessoas a quem se comunica a notícia". O Santo Padre ainda lançou o convite para que sejam oferecidos às pessoas relatos permeados pela lógica da "boa notícia".

A boa notícia


"Esta boa notícia, que é o próprio Jesus, não se diz boa porque nela não se encontra sofrimento, mas porque o próprio sofrimento é vivido num quadro mais amplo, como parte integrante do seu amor ao Pai e à humanidade", explicou.

Segundo o Papa, a esperança fundada na boa notícia que é Jesus "faz-nos erguer os olhos e impele-nos a contemplá-Lo no quadro litúrgico da Festa da Ascensão".

"Aparentemente o Senhor afasta-Se de nós, quando na realidade são os horizontes da esperança que se alargam". Para Francisco, esta esperança não pode deixar de moldar o modo de comunicar, com a persuasão de que é possível enxergar e iluminar a boa notícia presente na realidade de cada história e no rosto de cada pessoa.

"A esperança é a mais humilde das virtudes, porque permanece escondida nas pregas da vida, mas é semelhante ao fermento que faz levedar toda a massa", concluiu.


Recomendado para você


Compartilhe :

0 comentários:

Postar um comentário