12 junho, 2019

Vida censurada: Pinterest suspende definitivamente conta pró-vida do Live Action



O Pinterest suspendeu de forma definitiva a conta do Live Action, denunciou a fundadora e presidente da plataforma pró-vida, Lila Rose, no Twitter nesta segunda-feira, 11 de junho. O método aplicado pela rede social foi incluir o conteúdo contrário ao aborto do Live Action em uma lista de conteúdo de pornografia.




"Temos mais perguntas do que respostas sobre a censura do Pinterest e a mensagem pró-vida do Live Action", disse a fundadora e presidente do Live Action, Lila Rose, em um comunicado fornecido à The Daily Caller News Foundation. "Com base nas evidências fornecidas, parece que o Pinterest intencionalmente adicionou 'LiveAction.org' a uma lista de bloqueio de 'pornografia' em um esforço para suprimir nosso conteúdo pró-vida de ser compartilhado na plataforma".

Veja também:


A primeira justificativa apresentada pelo Pinterest para o banimento do Live Action foi afirmar que o grupo pró-vida propagava pornografia. Mais tarde, a rede social declarou que a suspensão definitiva foi por causa da "desinformação relacionada a conspirações e conselhos anti-vacinação, e não pornografia".

Embora essa classificação seja completamente imprecisa, é possível que o Pinterest tenha escolhido fazer essa afirmação com base na ideia de que reportar notícias relacionadas a questões da vida é controverso.




O bloqueio por esta motivação fez parte de uma estratégia do Pinterest, que é favorável ao aborto, para censurar o conteúdo pró-vida do Live Action e, por fim, banir definitivamente a presença da plataforma em suas redes sociais, conforme declarou Lila Rose em uma publicação em sua conta no Twitter.



Em matéria publicada pelo Live Action News, foi informado que o Pinterest, uma popular empresa de mídia social, optou por bloquear o conteúdo pró-vida do Live Action alegando que a suspensão permanente deveu-se às políticas da rede social, proibindo "desinformação", afirmando que a conta da plataforma "pode ter efeitos imediatos e prejudiciais na saúde ou na segurança pública".

Recomendado para você
Compartilhe :

0 comentários:

Postar um comentário