22 março, 2018

É católico batizar a mesma pessoa duas vezes?


- Batismo de Cristo ilustrando vitral de Igreja. Foto: Pixabay/Domínio Público -

Uma leitora nos enviou duas perguntas sobre o batismo e achamos interessante dar a resposta produzindo um texto, pois, como na escola, talvez a dúvida dela seja a de muitas outras pessoas. Então, vamos entender o contexto vendo o caso e as questões propostas por ela.

Nossa leitora afirmou que é madrinha de um menino. Segundo ela, o batizaram na Igreja e, pouco tempo depois, a mãe dele o levou para ser batizado de novo em outra Igreja e com padrinhos diferentes. Eis as perguntas propostas por ela: "É possível batizar a mesma criança duas vezes? Eu deixo de ser madrinha?".




A Igreja recorda que a prática de batizar as crianças é uma tradição de longos anos, explicitamente atestada desde o século II, mas com possibilidade de que assim se tenha sido feito desde o princípio da pregação apostólica, quando famílias inteiras receberam o batismo (cf. Catecismo da Igreja Católica, n. 1252). Pressupõe-se que aí tenham sido batizadas também as crianças daquelas famílias.

É possível ser batizado duas vezes?


Uma vez que se tenha recebido o Batismo, não se batiza novamente. Como disse São Paulo na carta aos Efésios: "Há um só Senhor, uma só fé, um só batismo". (cf. Ef. 4,5).

A Igreja também deixa claro que "tem capacidade para receber o batismo todo e só o homem [ser humano - nota do Sim, sou Católico] ainda não batizado" (cf. Código de Direito Canônico, Cân. 864).

E, para colocar mais um item, todo católico quando professa a sua fé rezando o Credo diz: "Confiteor unum Baptisma in remissionem peccatorum" (Professo um só Batismo para a remissão dos pecados). Ora, se você - catecúmeno, pais e/ou padrinhos - professa um só Batismo para a remissão dos pecados, por qual motivo vai se batizar novamente ou levar seu filho/afilhado para receber outro batismo? Não faz sentido algum.

Veja também:


Vamos acrescentar outra questão às que foram propostas pela nossa leitora. Se houver dúvida se o bastimo foi validamente conferido, como agir? Façamos como o Chapolin Colorado (só para descontrair): palma, palma: não priemos cânico!


Caso haja dúvida, a Igreja orienta o seguinte em seu Código de Direito Canônico (Cân. 869):

§ 1.  Se houver dúvida se alguém foi batizado ou se o batismo foi validamente conferido, e a dúvida permanecer depois de séria investigação, confira-se-lhe o batismo sob condição.

Deixo de ser padrinho/madrinha?


Nossa leitora mencionou que, pouco tempo depois, os pais do afilhado dela o levaram para ser batizado novamente (eles carecem de formação) e escolheram novos padrinhos. Ela deixa de ser madrinha?

O Código de Direito Canônico (Cân. 874) afirma que para que alguém seja admitido como padrinho, é necessário que:

1° – seja designado pelo batizando, por seus pais ou por quem lhes faz às vezes, ou, na falta deles, pelo próprio pároco ou ministro, e tenha aptidão e intenção de cumprir esse encargo;
2° – Tenha completado dezesseis anos de idade, a não ser que outra idade tenha sido determinada pelo Bispo diocesano, ou pareça ao pároco ou ministro que se deva admitir uma exceção por justa causa;
3° – seja católico, confirmado, já tenha recebido o santíssimo sacramento da Eucaristia e leve uma vida de acordo com a fé e o encargo que vai assumir;
4° – não tenha sido atingido por nenhuma pena canônica;
5° – não seja pai ou mãe do batizando.

Se não é possível ser batizado duas vezes e você tem todos os requisitos solicitados pela Igreja, a resposta é: não! Não se deixa de ser padrinho/madrinha.


Recomendado para você
Compartilhe :

14 comentários:

  1. Então um bebê k é batizado quando pequeno foi lavado do pecado original, mais ja que o batismo é um só.e quando ele crescer e ser adulto ele já tem outros pecados, porque é diferente quando se é bebê por que é puro e inocente mas depois quando se torna adulto é outra questão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando ele crescer, não precisará ser batizado novamente toda caso cometa pecado (observação pontual: o pecado deve sempre ser evitado). Caso o cometa, deverá se aproximar de outro sacramento.

      Conforme diz o Catecismo da Igreja Católica (CIC), "o santo Batismo é o fundamento de toda a vida cristã, o pórtico da vida no Espírito e a porta que dá acesso aos outros sacramentos" (n. 1113). O bastismo nos liberta do pecado e nos regenera como filhos de Deus (cf. n. 1213).

      Este é um dos sacramentos mais belos e magníficos, conforme vai explicar o Catecismo no seu número 1216.

      "Nascidas com uma natureza humana decaída e manchada pelo pecado original, as crianças também têm necessidade do novo nascimento no Baptismo para serem libertas do poder das trevas e transferidas para o domínio da liberdade dos filhos de Deus (44), a que todos os homens são chamados. A pura gratuidade da graça da salvação é particularmente manifesta no Baptismo das crianças. Por isso, a Igreja e os pais privariam, a criança da graça inestimável de se tornar filho de Deus, se não lhe conferissem o Baptismo pouco depois do seu nascimento" (CIC n. 1250).

      Já tendo a criança o selo do Batismo impresso em sua alma, o que fará se um dia pecar? Antes de entrar nesse ponto, sugirimos a leitura dessa publicação que fizemos aqui no blog: http://www.simsoucatolico.com.br/2013/05/o-que-e-necessario-para-que-um-pecado.html#.Wy1GQFVKhdg

      Tendo pecado, a pessoa deverá se aproximar de um outro sacramento: o da Reconciliação. Isso deve ser feito porque "vivemos ainda na 'nossa morada terrena', sujeita ao sofrimento à doença e à morte. A vida nova de filhos de Deus pode ser enfraquecida e até perdida pelo pecado", (CIC n. 1420).

      "Aqueles que se aproximam do sacramento da Penitência obtêm da misericórdia de Deus o perdão da ofensa a Ele feita e, ao mesmo tempo, são reconciliados com a Igreja, que tinham ferido com o seu pecado, a qual, pela caridade, exemplo e oração, trabalha pela sua conversão" (CIC n. 1422).
      Conforme diz o Catecismo da Igreja Católica (CIC), "o santo Batismo é o fundamento de toda a vida cristã, o pórtico da vida no Espírito e a porta que dá acesso aos outros sacramentos" (n. 1113). O bastismo nos liberta do pecado e nos regenera como filhos de Deus (cf. n. 1213).

      Este é um dos sacramentos mais belos e magníficos, conforme vai explicar o Catecismo no seu número 1216.

      "Nascidas com uma natureza humana decaída e manchada pelo pecado original, as crianças também têm necessidade do novo nascimento no Baptismo para serem libertas do poder das trevas e transferidas para o domínio da liberdade dos filhos de Deus (44), a que todos os homens são chamados. A pura gratuidade da graça da salvação é particularmente manifesta no Baptismo das crianças. Por isso, a Igreja e os pais privariam, a criança da graça inestimável de se tornar filho de Deus, se não lhe conferissem o Baptismo pouco depois do seu nascimento" (CIC n. 1250).

      Já tendo a criança o selo do Batismo impresso em sua alma, o que fará se um dia pecar? Antes de entrar nesse ponto, sugirimos a leitura dessa publicação que fizemos aqui no blog:

      Tendo pecado, a pessoa deverá se aproximar de um outro sacramento: o da Reconciliação. Isso deve ser feito porque "vivemos ainda na 'nossa morada terrena', sujeita ao sofrimento à doença e à morte. A vida nova de filhos de Deus pode ser enfraquecida e até perdida pelo pecado", (CIC n. 1420).

      "Aqueles que se aproximam do sacramento da Penitência obtêm da misericórdia de Deus o perdão da ofensa a Ele feita e, ao mesmo tempo, são reconciliados com a Igreja, que tinham ferido com o seu pecado, a qual, pela caridade, exemplo e oração, trabalha pela sua conversão" (CIC n. 1422).

      Excluir
  2. Os padrinhos do segundo batismo dessa criança são o que então? Acham que são padrinhos sem sê-los?

    ResponderExcluir
  3. Se há um só batismo válido, então não houve um segundo batismo.

    ResponderExcluir
  4. quando ouve traição entre a mãe e o padrinho . Pode have outro batismo para mudar o padrinho ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Enquanto católicos, quando fazemos a profissão de fé dizemos: "Professo UM SÓ BATISMO para a remissão dos pecados". Não haverá outro batismo para "mudar o padrinho".

      Excluir
  5. Gostaria de saber se posso Batizar meu filho no Brasil se ele for batizado na Europa. A madrinha dele não tem como vir e o padrinho dele aqui não tem como ir ao Brasil, por isso estávamos pensando em batizar ele aqui e ano que vê fazer a cerimônia aí no Brasil. Desde já agradeço pela atenção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seu filho será batizado na Igreja, esteja ela no Brasil ou na Europa.
      Batizando-o na Europa, não haverá um "segundo batismo" no Brasil (e vice-versa) o seu filho já terá recebido tal Sacramento. O pode ser feito é uma cerimônia em ação de graças a Deus pela vida de seu filho e pelo Sacramento recebido.

      Excluir
  6. Gostaria de saber se posso dar meu segundo filho para os mesmo padrinho do meu primeiro filho?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não há problema nenhum: pode dar seu filho ao mesmo padrinho do primeiro, desde que o mesmo se enquadre naquilo que foi dito sobre o cânone 874 do Código de Direito Canônico, confirme citamos. Uma dica muito útil: sempre veja o que diz a sua Diocese sobre isso, pois com certeza haverá uma orientação prática.

      Esperamos ter ajudado e respondido bem.

      Excluir
  7. Olá,
    Eu tenho uma dúvida sobre o batismo. Sou de família católica, porém ainda não batizei meu filho. Gostaria que ele crescesse e entendesse melhor a diferença entre fé e religião, fazendo assim que ele escolha qual religião quer seguir mas sempre sabendo que Deus é um só. Gostaria de não batizar ele no momento e apenas quando crescesse assim o fizesse, por questão das escolhas dele. Só que sempre iremos ensinar ele o significado de Deus, a importância da vida, da fé... Bem, não sei bem como explicar, mas em geral é isso. Eu posso deixar ele crescer e escolher ou ele pode ser batizado normalmente na igreja católica e caso depois escolha ir para outra religião teria problema. Agradeço se puder me esclarecer essa dúvida!

    ResponderExcluir
  8. Vamos fazer um post sobre esse tema em breve, mas, aproveitando a sua dúvida...

    Na Igreja o Batismo é tradado com máxima gravidade, visto que este sacramento é a porta de entrada para da salvação. E, sobre a conferência desse sacramento às crianças, o Catecismo da Igreja Católica, em seu número 1252 diz que: "A prática de batizar as crianças é tradição imemorial da Igreja. Explicitamente atestada desde o século II, é no entanto bem possível que, desde o princípio da pregação apostólica, quando 'casas' inteiras receberam o Batismo se tenham baptizado também as crianças".

    Pense com a Instrução Pastoralis Actio: "O fato de as crianças não poderem ainda professar pessoalmente à sua fé não impede a Igreja de lhes administrar este Sacramento, porque na realidade ela os batiza na sua própria fé" (n.14).

    Logo, como afirma Padre Paulo Ricardo em seu site, "os pais católicos que entendem a dimensão e a profundidade desse ato cuidam para que seus filhos o recebam o quanto antes".

    Nós, católicos, cremos que o Batismo é uma verdadeira intervesão de Deus que tira uma criatura da escravidão do pecado, transformando-a em filho de Deus, abre a porta do céu e concede a graça de uma vida santa. Ou seja: o batismo é um ato de fé.

    Sobre esperar seu filho crescer para que o mesmo escolha, parece querer dizer que há medo de influenciar na escolha dele, tirar a liberdade. No entanto, como diz a Pastoralis Actio, essa é uma posição completamente ilusória (cf. n. 22).

    "Quando se pretende dizer que o sacramento do Batismo compromete a liberdade da criança, esquece-se sobretudo que todo o homem, mesmo o não baptizado; enquanto criatura, tem para com Deus deveres imprescritíveis, que o Baptismo ratifica e eleva com a adopção filial. Além disto, esquece-se que o Novo Testamento nos apresenta a entrada na vida cristã, não como uma servidão ou uma coação, mas como o acesso à verdadeira liberdade" (PA, n. 22).

    Se ocorrer de no futuro a criança deixar de observar os seus deveres relacionados ao Batismo, é certo que os pais ficarão tristes ou até decepcionados. No entanto, terão cumprido o seu dever de batizar os próprios filhos e conferir a eles a educação cristã. Com efeito, não obstante as aparências, os germes da fé depositados na sua alma poderão um dia revivescer, para o que os mesmos pais contribuirão com a sua paciência, o seu amor, a sua oração e o seu testemunho autêntico da própria fé (PA, n. 22).

    Nosso conselho: se crê com a Igreja, batize seu filho, pois é seu dever.

    ResponderExcluir
  9. Eu gostaria de saber se minha filha pode ter dois padrinhos e duas madrinhas no mesmo dia do batizado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dois padrinhos e duas madrinhas de batismo ela não pode ter. O Código de Direito Canônico, citado por vezes na publicação, diz que o batizando poderá ter um só padrinho ou uma só madrinha; ou então ou então um padrinho
      e uma madrinha (um casal).

      O que acontece em alguns lugares é que um outro casal seja chamado para ser padrinhos de consagração. Porém, via de regra, não é obrigatório para o Batismo.

      Excluir