26 dezembro, 2019

Existe alguma cláusula que permita mudar os padrinhos de Batismo?


- Imagem referencial. Foto: Unsplash/Joseph Applegate -

Uma leitora nos enviou essa dúvida, pois, segundo ela, a pessoa que foi escolhida para madrinha de seu neto hoje não mais contato nenhum. Daí a pergunta: existe alguma cláusula da Igreja que permita mudar os padrinhos de Batismo?

Realmente é uma decepção quando um padrinho abandona seu afilhado e, por isso, antes de escolhê-los é importante rezar e verificar se eles se encaixam naquelas 5 condições necessárias para desempenhar esse papel tão importante.




Tal como não é possível batizar a mesma pessoa duas vezes, não há como trocar de padrinhos após o Batismo.

Da mesma forma que, enquanto católicos, quando fazemos a profissão de fé dizemos: "Professo um só Batismo para a remissão dos pecados", como o Batismo é só um, não haverá outro para mudar o padrinho.

No entanto, a decepção não deve ser pela ausência de presentes ou de visitas, visto que isso é algo secundário. Deve-se ficar triste quando os padrinhos deixam de desempenhar o papel de, como diz o Código de Direito Canônico, "conjuntamente com os pais, apresentar ao batismo a criança a batizar e esforçar-se por que o batizado viva uma vida cristã consentânea com o batismo e cumpra fielmente as obrigações que lhe são inerentes" (Cân. 872).



Compartilhe:

10 comentários:

  1. E se q madrinha for lésbica e participar de candomblé?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A situação parece entrar naquilo que diz o cânone 874 do Código de Direito Canônico: o padrinho "seja católico, confirmado, já tenha recebido o santíssimo sacramento da Eucaristia e leve uma vida de acordo com a fé e o encargo que vai assumir".

      - Sua madrinha é batizada Igreja Católica? Se sim, ela é católica.

      - Ela já tinha recebido a Eucaristia? Se sim, até aqui estava de acordo.

      - Ela leva uma vida de acordo com a fé e o encargo que assumiu? Não, pois abandonou a fé católica ao participar do candomblé e escolher ter adotado a prática homossexual.

      Contudo, se na época do batismo ela não era membro do candomblé e nem homossexual, ela, de fato, é sua madrinha até hoje (com a observação de ter abandonado a fé católica). Agora, se ela já tinha outra prática, foi apenas testemunha de seu batismo.

      Ainda assim não é possível "trocar" de padrinho, pois para isso seria necessário realizar um novo batizado e isso não é possível.

      Excluir
  2. Não seria possível mudar meus padrinhos,
    Eles não têm muito contato é queria trocar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É como escrevemos na publicação: tal como não é possível batizar a mesma pessoa duas vezes, não há como trocar de padrinhos após o Batismo.

      A presença e contato constantes com os padrinhos também é algo importante, mas secundário. O principal é que eles se esforcem para que seus afilhados vivam uma vida cristã de acordo com o sacramento que receberam além de rezar, é claro.

      Uma dica: reze pelos seus padrinhos e, se que eles sejam mais próximo, tente tomar a iniciativa: faça-se próximo deles.

      Excluir
  3. Eu não gosto da minha madrinha, e eu gostaria muito de trocar. Deveria existir alguma cláusula, pois eu não sou culpada dela ser a minha madrinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Igreja diz que, quando possível, seja dado "ao batizando um padrinho, cuja missão é assistir na iniciação cristã" e, "conjuntamente com os pais, apresentar ao batismo a criança a batizar". Além disso, o padrinho deve "esforçar-se por que o batizado viva uma vida cristã consentânea com o batismo e cumpra fielmente as obrigações que lhe são inerentes" (Código de Direito Canônico, Cân. 872).

      Ou seja, não é obrigatório ter um padrinho, mas uma possibilidade.

      E é importante ter em mente que se o padrinho não está sempre junto do afilhado, mas reza por ele e dá auxílio na caminhada cristã, está cumprindo sua missão.

      Sobre não ser culpada da pessoa ser sua madrinha, a Igreja não deveria ter uma cláusula para atender especificamente a isso. Já que para se ter um padrinho de batismo é necessário realizar um batizado, como seria possível batizar uma pessoa novamente apenas para que haja troca de padrinhos?

      Como já falamos em outro post aqui no blog, há um só batismo (cf. Ef. 4,5).

      O conselho que damos: reze pelos seus padrinhos, mesmo que eles não sejam presentes.

      Excluir
  4. A pessoa que eu escolhi pra ser madrinha da minha filha e lésbica tem alguma regra contra isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Temos uma publicação aqui no blog onde respondemos se homossexuais podem ser padrinhos de batismo. Dê uma olhada, pois irá encontrar a resposta lá. O link está abaixo:
      https://www.simsoucatolico.com.br/2019/12/homossexuais-podem-ser-padrinhos.html

      Excluir
  5. A madrinha da minha filha atualmente não está se encaixando nas 5 condições para ser padrinhos. Atualmente ela está cometendo adultério e não vejo isso como exemplo para minha filha posso pedir anulação do batismo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente é muito triste quando os padrinhos não assumem verdadeiramente o papel e missão que receberam, mas, como exposto no texto, tal como não é possível batizar a mesma pessoa duas vezes, não há como trocar de padrinhos após o Batismo.

      Logo, não existe a possibilidade de pedir a anulação do Batismo, visto que sacramentos, uma vez recebidos, não se anulam: eles imprimem uma marca indelével em quem os recebe.

      Você informou que "atuamente" a madrinha da sua filha "não está se encaixando nas 5 condições" necessárias para os padrinhos de Batismo. Com certeza você quis afirmar que ela não se encaixa em uma das condições (pelo seu comentário, parece ser a terceira condição, que diz que se deve levar "uma vida de acordo com a fé e o engargo que vai assumir"). Quando fizeram o convite, ela tinha condições de assumir a função? É uma pergunta para provocar reflexão.

      Nosso conselho: procure seu pároco, exponha a situação. Ele lhe dará conselhos de como prosseguir.

      Excluir